Tecnocarne Digital faz parte da divisão Informa Markets da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

Quais os desafios do Brasil no futuro do consumo mundial de carnes?

Quais os desafios do Brasil no futuro do consumo mundial de carnes?

Análise realizada pelo Rabobank indica que o consumo mundial de carne deve sofrer um acréscimo de 45 milhões de toneladas até 2028. Porém, mesmo com a clara projeção de crescimento, pode haver variações neste volume ao longo dos próximos anos, com momentâneas reduções em alguns períodos e crescimento em outros.

Neste contexto, independente da variação no consumo mundial de carne, espera-se que o Brasil mantenha seu papel de destaque na produção e exportação mundial de proteína animal.

Entretanto, para que se mantenha entre os grandes produtores e exportadores de carne no mundo, os atores da pecuária nacional (diga-se pecuaristas, frigoríficos, exportadores) precisam ter ciência dos desafios globais e internos para, assim, se adequarem e atender a demanda mundial.

Buscar novos mercados é necessário

A longo prazo, a perspectiva para os próximos anos é de crescimento na demanda por carnes. Entretanto, de acordo com o representante da FAO (Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura, Alan Bojanic, explica que no curto prazo vem sendo observado que os mercados consumidores tradicionais de proteína animal (caso dos Estados Unidos e da China) experimentaram uma certa desaceleração de seu crescimento econômico.

Diante desse cenário, a demanda interna desses países pode sofrer, como consequência, certa contração”, comenta Bojanic.

O representante da FAO complementa: “Isso não necessariamente implica em uma redução volumosa de consumo de carne a longo prazo, mas que as projeções de exportação de alguns países não serão atingidas e/ou ficarão bem abaixo do esperado”. Neste contexto, Bojanic indica que os grandes produtores de carne, principalmente o Brasil, podem se ver obrigados a encontrar novos mercados para remanejar a produção excedente.

Grandes exportadores de carne, como o Brasil, devem se preparar para situações em que o mercado mundial de carne sofra mudanças ou recuos circunstanciais de tendências. Situações pontuais como a da China não significam que as importações irão cessar, mas apontam para a necessidade de diversificar mercados”.

Entre estes mercados com alto potencial, a Índia, a Indonésia, as Filipinas e a Coréia do Sul vêm ganhando destaque e precisam ser “conquistados” pela carne brasileira.

Ocultar comentários

Comments

  • Allowed HTML tags: <em> <strong> <blockquote> <br> <p>

Plain text

  • No HTML tags allowed.
  • Web page addresses and e-mail addresses turn into links automatically.
  • Lines and paragraphs break automatically.
Publicar