Tecnocarne Digital faz parte da divisão Informa Markets da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

Novas fontes de energia geram economia para abatedouros, açougues e frigorificos

Novas fontes de energia geram economia para abatedouros, açougues e frigoríficos

Especialistas afirma que o Sistema Elétrico Brasileiro ainda tem muito o que avançar, porém algumas iniciativas já começam a surgir, como a geração distribuída, modelo em que o próprio consumidor pode produzir sua própria energia utilizando fontes como solar, biogás, biomassa, eólica, hidrelétrica. Novos desenhos de mercado para fazer mais com menos recursos e de maneira sustentável estão em desenvolvimento, inclusive para o mercado de frigoríficos, abatedouros e açougues.

As tendências que guiam o futuro do setor de energia mundial envolvem a produção e o consumo de energia renovável, investimentos em digitalização de redes elétricas de média e baixa tensão; automação e gerenciamento do consumo de indústrias, comércios e residências; mobilidade elétrica; além de novas tecnologias de armazenamento e geração de energia descentralizadas.

De acordo com o CEO da ECOEE, Vicente Bocuzzi, atualmente é possível ao consumidor buscar serviços alternativos de energia, da mesma maneira que é feito com plataformas opcionais de transporte. “Novos entrantes já estão desenvolvendo soluções para oferecer nessa área de energia”, explica.

Estabelecimentos com bateria, gerador de gás e painel solar podem ficar energeticamente independente. Energia solar é gerada durante o dia, armazenada em uma bateria para usar de noite e, no caso da falta de energia, o gerador a gás entra para suprir a demanda, permitindo o consumidor ficar fora da rede da distribuidora. O avanço das renováveis no Brasil, que consolidou a fonte eólica e deve fazer com que a solar tenha o mesmo destino, confere para esta última o maior potencial de descentralização. "A tendência é a eólica centralizada e a solar distribuída, por causa das tecnologias e dos recursos energéticos", disse Elbia Gannoum, presidente executiva da ABEEólica (Associação Brasileira de Energia Eólica).

O custo para instalar esses sistemas em imóveis de até 700 metros quadrados, por exemplo, podem chegar R$ 60 mil, com a instalação de 66 módulos fotovoltaicos. Entretanto, especialistas afirmam que o investimento é compensado a longo prazo, pois os gastos mensais com energia elétrica podem ser reduzidos de R$ 1.200,00 para R$ R$ 116,00.

Regulação

“A agência reguladora está entusiasmada com as novas tecnologias, um exemplo disso é a Resolução Normativa 482/12. Enfrentar o tema da geração distribuída é reconhecer que essa é uma tecnologia inexorável para o país. Sabemos que: ou a agência regula, ou ela será atropelada pela tecnologia”, disse o diretor da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica), Efrain Pereira da Cruz.

E com cada vez mais geração distribuída impulsionando a descentralização, micro e mini geração podem permitir que a energia tenha um fluxo diferente, saindo do tradicional usina-transmissão-distribuição A massificação das baterias também pode acabar sendo uma aliada importante para o grito de independência do consumidor da rede da distribuidora.

Ocultar comentários

Comments

  • Allowed HTML tags: <em> <strong> <blockquote> <br> <p>

Plain text

  • No HTML tags allowed.
  • Web page addresses and e-mail addresses turn into links automatically.
  • Lines and paragraphs break automatically.
Publicar