Tecnocarne Digital faz parte da divisão Informa Markets da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

carne sustentavel.jpg

O que você precisa saber sobre a carne sustentável

Você já ouviu falar em carne sustentável? Saiba o que significa essa carne e veja como obter o selo de sustentabilidade.

Em algumas regiões do Brasil, é possível encontrar bovinos criados soltos, comendo pasto nativo e convivendo em total harmonia com a natureza. Para valorizar as qualidades deste manejo e melhorar a renda, alguns pecuaristas optam por obter o selo carne sustentável.

Essa forma de praticar a pecuária prioriza o bem-estar animal a partir de um manejo que oferece aos animais todos os benefícios, permitindo que cheguem até a idade madura de abate com a máxima qualidade de vida.

Embora seja usado para definir esse sistema de criação, o termo carne sustentável é muito mais amplo, com a carne sendo o resultado de 144 normas que precisam ser seguidas à risca para que o produtor consiga receber a certificação.

Ficou interessado? Então veja algumas das características que fazem um tipo exclusivo de criação conquistar o selo de “carne sustentável”.

O que é carne sustentável?

A carne sustentável recebe essa denominação porque ela se adequou às 144 normas que precisam ser seguidas à risca para que o produtor consiga receber a certificação criada pela ONG americana Rainforest Alliance.

Amália Sechis Farina, diretora comercial da marca brasileira de carne sustentável Beef Passion explica que essas normas exercem influência em toda a cadeia produtiva, garantindo bem-estar aos animais do nascimento ao abate.

Assim, segundo Amália, a criação sustentável resultará em uma carne produzida dentro de variados requisitos, tais como:

  • Ausência de desmatamento ou destruição de ecossistemas;
  • Diminuição e o uso seguro de agrotóxicos;
  • Coleta e destino adequado de resíduos;
  • Bem-estar associado a rastreabilidade animal, que ocorrerá do nascimento ao abate;
  • Contratação e segurança de todos os trabalhadores, além do não trabalho infantil;
  • Recuperação de florestas, preservação das matas ciliares e nascentes, e manutenção da qualidade da água.

Além disso, a diretora comercial da Beef Passion explica que a produção de uma carne sustentável visa também diminuir a emissão de gases ao efeito estufa.

Por meio da integração lavoura pecuária-floresta e da nutrição adequada conseguimos diminuir expressivamente a emissão de gases de efeito estufa, como metano e compostos de carbono, indicando um ganho ambiental expressivo”.

Como obter o selo de carne sustentável?

A carne, quando recebe a denominação de sustentável recebe um selo conhecido como Rainforest Alliance Certified (RAS). Mas este selo não se destina à carne sustentável, como explica Amália Farina.

Em todo o mundo, este é um selo de certificação verde que valida produções agrícolas, florestais ou turísticas que atendem os padrões de excelência em sustentabilidade ambiental, social e econômica”.

Mas, no caso específico da pecuária, como é possível obter o selo de carne sustentável?

A diretora comercial da Beef Passion explica que, na prática, para obter o selo é preciso respeitar os 4 princípios presentes na norma:

  • 1º princípio – Sistema eficaz de planejamento e gestão

Segundo Amália, este princípio inclui uma seção de requisitos específicos e visa promover a área de impacto “Produtividade e rentabilidade da fazenda”.

Além disso, esse princípio dá apoio a outras áreas de impacto dentro da pecuária. “As áreas de conservação da biodiversidade, conservação dos recursos naturais e melhoramento dos meios de vida e bem-estar humano são melhor geridos neste princípio”, diz.

  • 2º princípio – Conservação da biodiversidade

Através da implementação dos critérios deste princípio, as fazendas protegem os ecossistemas naturais dentro de sua propriedade, ou seja, não contribuem para o desmatamento”, explica Amália.

  • 3º princípio – Conservação dos recursos naturais

Amália explica que cuidadosa conservação dos recursos naturais é a base fundamental para a agropecuária sustentável. “Precisamos minimizar a poluição ambiental, pois isso beneficia pessoas, polinizadores, animais e muito mais”, acredita Amália.

Além do mais, este princípio visa garantir a saúde do solo e da água, assim como reduzir o uso de agroquímicos e combustíveis fósseis no processo de produção.

  • 4º princípio – Oferta de melhores meios de vida e bem-estar humano

Todos os seres humanos têm igual valor e, por isso devem ser tratados de forma igualitária”, acredita Amália.

Por fim, para obter o selo de carne sustentável é preciso pleitear o certificado por meio de processo de auditoria realizado por uma Certificadora treinada e credenciada pela Rainforest Alliance no Brasil.

Muitas vantagens, mas há ainda alguns desafios a superar

Todos os seres vivos são iguais e devem ser bem tratados”. Baseado nesse princípio, a norma RAS, foi desenvolvida para proteger os direitos humanos e trabalhistas para os trabalhadores e suas famílias, estimulando melhorias ambientais, sociais e econômicas dentro da fazenda.

Essa certificação reconhece que a atuação responsável do pecuarista contribui para a conservação dos recursos naturais, proporcionando condições dignas aos animais, justas para os trabalhadores e promovendo as melhores relações com o meio ambiente”, explica Amália.

A diretora da Beef Passion ainda complementa: “Todo esse trabalho garante que a Beef Passion que chega ao prato do consumidor seja deliciosa, sustentável e livre de hormônios”.

Porém, apesar das muitas vantagens ao consumidor, a carne sustentável ainda precisa superar alguns desafios importantes, principalmente o valor mais elevado e a falta de informação. Estes são fatores que ainda funcionam como uma barreira para o consumo consciente, como salientado pela diretora da Beef Passion.

O consumidor precisa aprender a valorizar os produtos que tenham origem e procedência, que sejam provenientes de empresas éticas, humanizadas e que tenham um propósito a seguir”.

A empresa dirigida por Amália tem por característica não classificar seus cortes em “carne de primeira” ou “carnes de segunda”. “O boi é valorizado por inteiro, sem dispensar cortes pouco ou mal explorados”, complementa a diretora comercial da marca.

O objetivo é também produzir, apoiar e incentivar o consumo mais responsável e consciente. Para isso a empresa oferece duas linhas: Clássico e Reserva - com mais de 60 tipos de cortes extraídos do mesmo animal. 

Acreditamos que cuidar de todos aqueles envolvidos no processo produtivo de uma empresa é o que traz os melhores resultados”, explica Amália Farina.

Para a Beef Passion, sustentabilidade é cuidado. Cuidado com o planeta, cuidado com os animais e cuidado com as pessoas.

Ocultar comentários
account-default-image

Comments

  • Allowed HTML tags: <em> <strong> <blockquote> <br> <p>

Plain text

  • No HTML tags allowed.
  • Web page addresses and e-mail addresses turn into links automatically.
  • Lines and paragraphs break automatically.
Publicar