Tecnocarne Digital faz parte da divisão Informa Markets da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

Contaminação por plástico em carnes: O que é preciso saber?

Contaminação por plástico em carnes: O que é preciso saber?

A segurança alimentar sempre foi uma das principais preocupações da indústria mundial da carne. Por essa razão, evitar a contaminação por plástico é motivo de constantes pesquisas relacionada a essa importante cadeia.

Entretanto, pesquisadores do laboratório Innovare, vinculado à Unicamp, criaram uma nova metodologia para a detecção de migração de compostos dos plásticos presentes nas embalagens para as carnes. Segundo os pesquisadores, esse método é mais eficaz que as metodologias regularmente seguidas.

Essa pesquisa causou certa preocupação na indústria da carne, isso porque os pesquisadores identificaram quatro compostos em cortes embalados a vácuo. Segundo eles, estes compostos são decorrentes da contaminação por plástico da embalagem e são considerados impróprios para consumo.

Mas, segundo a Abiplast (Associação Brasileira da Indústria do Plástico) a fabricação de embalagens alimentícias possui legislações específicas publicadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) e, portanto, são seguras para acondicionar carnes.

Para saber mais sobre o assunto, conversamos com representantes da Abiplast. Eles nos indicam a importância das embalagens plásticas para o acondicionamento de carnes e explicam porque as pesquisas sobre contaminação por plástico são sempre necessárias.

Normas que regulamentam a indústria de embalagens

No Brasil, a Abiplast salienta que a fabricação de embalagens alimentícias, para acondicionar alimentos e bebidas, possui legislações específicas publicadas tanto pela Anvisa quanto pela ABNT, as quais devem ser seguidas por todas as empresas do setor, inclusive as indústrias do setor cárneo.

Alguns exemplos podem ser citados:

  • Resoluções RDC n° 56 e RDC n° 17. Regulamentam os monômeros (incluindo o Bisfenol A) e aditivos utilizados em materiais plásticos destinados à elaboração de embalagens em contato com alimentos;
  • Normas ABNT-NBR 14865-2012. Estas normas estabelecem os requisitos mínimos exigíveis para os copos plásticos descartáveis que são destinados ao consumo de bebidas e outros usos similares;
  • ABNT NBR 15403. Onde são apresentados os requisitos e métodos de ensaios para filmes estiráveis de PVC para contato com alimentos.

Os fabricantes da indústria plástica dizem também que tanto os processos da Anvisa quanto da ABNT são bastante dinâmicos, indicando toda a segurança dos produtos acondicionados nas embalagens plásticas.

Embalagens plásticas são seguras para acondicionar carnes”, diz Abiplast

A Abiplast ressalta que tem conhecimento sobre os resultados da pesquisa do laboratório Innovare, mas ela cita as legislações para informar que, até o momento, não foi emitido nenhum alerta para a indústria ou para a população relacionado aos protocolos nacionais de produtos embalados em plástico.

Atualmente, os órgãos responsáveis do governo não reconhecem haver problemas de contaminação por plástico em produtos cárneos. Caso venham a fazê-lo, seguramente a indústria se adaptará às novas regulações”.

A Abiplast diz ainda que as embalagens plásticas são uma eficaz alternativa para acondicionar carnes. “O que temos provado e em consenso é que as embalagens plásticas são importantes alternativas para a conservação de alimentos, aumentando a vida útil dos produtos embalados e reduzindo o desperdício de comida”, diz a associação.

E essa preocupação tem total fundamento, pois segundo dados da WWF, se o desperdício de alimentos fosse um país, ele seria o 3° maior em emissão de gases de efeito estufa, perdendo apenas para China e Estados Unidos.

Para se ter uma ideia do aumento da vida de prateleira dos produtos, carnes bovinas embaladas com plástico registram um aumento de 64% em sua vida útil. No caso do peixe, chega a 71%”, complementa a Abiplast.

Esse fato indica que boas embalagens plásticas são fundamentais para o acondicionamento de carnes do ponto de vista social e ambiental.

Pesquisas sobre contaminação por plástico em carnes são essenciais

A Abiplast indica que pesquisas relacionadas à qualidade e segurança alimentar de embalagens plásticas, como é o caso da pesquisa sobre contaminação por plástico em carnes, são sempre importantes.

Por isso, a Abiplast reitera que apoia qualquer tipo de pesquisa científica que venha a melhorar produtos plásticos e processos industriais.

A associação também reforça que a indústria do plástico se preocupa constantemente em desenvolver os melhores produtos à população, sem oferecer qualquer tipo de risco à saúde pública, impedindo qualquer tipo de contaminação por plástico de qualquer produto.

A associação também diz que acompanha os avanços em inovação e tecnologia, orientando seus associados para as melhores práticas do setor, tanto na questão da facilidade e comodidade, quanto na segurança alimentar.

Quanto ao estudo sobre migração de compostos da embalagem para a carne que foi realizado pelo laboratório dá Unicamp, a Abiplast diz que acompanhará seus desdobramentos.

Assim como o coordenador do laboratório Innovare ressalta, são necessárias novas pesquisas sobre toxidade e contaminação por plástico de embalagens que acondicionam carnes e a Abiplast estará acompanhando”.

Ocultar comentários

Comments

  • Allowed HTML tags: <em> <strong> <blockquote> <br> <p>

Plain text

  • No HTML tags allowed.
  • Web page addresses and e-mail addresses turn into links automatically.
  • Lines and paragraphs break automatically.
Publicar